Analise do Murilo | Pontos de parada: uma deficiência no Brasil

 

 Já faz  certo tempo que  O Ministério de Infraestrutra  definiu os procedimentos gerais para o reconhecimento dos pontos de parada e de descanso para caminhoneiros nas rodovias. Parece que ainda há poucos empresários interessados, especialmente porque este foi um ano difícil, complicado para novos investimentos. 

Mas a resolução foi bem feita. 

Cada ponto de parada deverá  dar condições de conforto, segurança, sanitárias e de repouso para os motoristas. O texto estabelece, por exemplo, que os banheiros têm que ser privativos e com porta. Deve haver um gabinete sanitário, um lavatório e um chuveiro por sexo, com água quente e fria, a cada 20 vagas destinadas a caminhões. As condições de higiene e conservação devem estar adequadas.  

Por isso, esses pontos de parada serão importantes para o apoio ao tempo de descanso da turma do trecho. Aliás, é bom lembrar que pela nova lei do motorista, os  profissionais devem ter um período de descanso de 11 horas entre duas jornadas de trabalho, sendo que pelo menos oito horas devem ser consecutivas. Além disso, a cada cinco horas e meia devem dar uma pausa na direção para repousar. E os novos pontos de parada serão ideais para isso. A gente já acompanhou esses locais de descanso em vários países da Europa, que já é uma tradição de mais de 20 anos. E, claro, serão bem vindos nas nossas rodovias.