Bombeiro furta caminhão, dirige por 20 km e é parado a tiros em Brasília

Bombeiro furtou caminhão da corporação

Bombeiro furta caminhão, dirige por 20 km e é parado a tiros em Brasília (Foto: Divulgação/PM-DF)

A Esplanada dos Ministérios virou cenário de uma perseguição no domingo (3), quando um sargento do Corpo de Bombeiros furtou um caminhão da corporação, dirigiu mais de 20 km em alta velocidade e foi parado após ter o pneu furado a tiros por carros da Polícia Militar na região na Esplanada dos Ministérios, em Brasília. O veículo foi roubado de um quartel em Ceilândia, cidade satélite a 30 quilômetros da capital, e só foi parado por volta de 1h50m, próximo à Catedral de Brasília, a menos de dois quilômetros do Congresso Nacional.

Segundo testemunhas, o caminhão estava em alta velocidade. Mais de 15 carros da Polícia Militar do Distrito Federal acompanharam o carro, que só parou após policiais atirarem nos pneus do veículo, que derrapou na pista. A via estava parcialmente fechada, em função de um evento esportivo, e ninguém se feriu.

O bombeiro foi identificado como o 2º sargento Fabrício Marcos de Araújo, de 44 anos, e preso em flagrante. Segundo a Secretaria de Segurança Pública do DF, ele passou por exames psicológicos. Além disso, a Polícia Civil está finalizando um laudo que poderá esclarecer se o militar teria ingerido droga, bebida alcoólica ou se estava fora de si. Militares dos Bombeiros e da Polícia Militar informaram que o homem aparentava estar “em surto” e gritava, no rádio comunicador do caminhão, que “não iria parar”.

PM descarta ação terrorista

Segundo o governo, “não foram encontrados elementos que apontam para a caracterização de atentado terrorista”. O termo chegou a ser usado em comunicações informais da PM, ao longo da madrugada, mas foi descartado na manhã de ontem. O sargento foi enquadrado nos crimes de furto qualificado, desobediência, danos ao material da administração militar e tentativa de dano.

O Corpo de Bombeiros diz que as circunstâncias do caso “estão em apuração, sendo acionada também a Diretoria de Saúde e o Centro de Assistência da corporação para acompanhar o caso”.

Até a noite de domingo, o sargento continuava detido no Núcleo de Custódia do Corpo dos Bombeiros. Hoje ele deve passar por audiência de custódia na Justiça Militar, onde o juiz terá de decidir pela soltura ou pela prisão preventiva do bombeiro.

Com informações do O Globo