Caminhão é roubado e motorista feito refém

Motorista foi liberado após o pneu do caminhão roubado furar

Caminhão é roubado e motorista feito refém (Foto: PM)

Dois homens e duas mulheres foram presos pela Polícia Militar por suspeita de participação no roubo de um caminhão boiadeiro em Conquista D’Oeste, a 571 km de Cuiabá (MT), na quinta-feira (5).

- Publicidade -

Segundo a PM, os suspeitos chegaram a ser perseguidos pela polícia e fizeram o caminhoneiro, de 68 anos, refém. Eles foram detidos após mais de 24 horas de operação.

À polícia, um dos suspeitos, de 36 anos, confessou que receberia R$ 8 mil pela participação no roubo. Um quinto suspeito foi identificado e ainda é procurado. Ele estaria escondido em uma área de mata.

O motorista foi liberado ileso pelos suspeitos próximo a Pontes e Lacerda, a 483 km de Cuiabá, após o pneu do caminhão roubado furar.

Polícia

Segundo a polícia, após roubarem o caminhão, em Cosquista D’Oeste, os suspeitos seguiram para Nova Lacerda, a 667 km da capital, onde ocorreu o primeiro confronto com a PM. Na região, os suspeitos atiraram contra os policiais.

Quilômetros depois, na BR-174, quando seguiam com o caminhão e o refém na direção a Pontes e Lacerda, os ladrões teriam jogado o caminhão sobre uma das viaturas, o que causou danos patrimoniais, mas sem feridos.

Em outro ponto da rodovia, próximo de Pontes e Lacerda, um dos pneus do caminhão furou e os suspeitos abandonaram o caminhoneiro e fugiram a pé pela mata.

No momento da prisão de um dos suspeitos, Ricardo Silva de Assis, de 29 anos, foi descoberto que ele tinha um mandado de prisão em aberto por roubo a banco na modalidade “Novo Cangaço”, ocorrido em 2012, no município de Nova Lacerda.

Ele, assim como a mãe e a mulher do quinto suspeito que ainda é procurado, foram presos em duas casas em Pontes e Lacerda. Em uma das residências, foram apreendidos 9,7 mil dólares que seriam do suspeito que fugiu.

Um outro suspeito, Wagner Elias de Oliveira, de 36 anos, foi preso quando tentava fugir de carona em um ônibus escolar que transportava alunos para uma escola indígena de Juína, a 737 km da capital. Ele foi detido na comunidade Santa Clara, antes de chegar na aldeia.

Wagner confessou que receberia R$ 8 mil por dirigir o veículo que deu cobertura ao roubo, porém um dos pneus furou e ele precisou abandonar o carro, pedindo carona na estrada, em seguida.

Os presos e materiais apreendidos foram encmainhados para o plantão da Polícia Civil, em Pontes e Lacerda. O caso será investigado.

Com informações do G1

- Publicidade -