Caminhões são arrastados pela força do vento no Rio Grande do Sul

Devido à intensidade dos ventos, ao menos três caminhões que circulavam na rodovia ERS-463, na região norte do Estado, foram arremessados para fora da pista

Caminhões são arrastados pela força do vento no Rio Grande do Sul (Foto: Reprodução/RBS TV)

O caminhoneiro Domingos Favretto, de 57 anos, levou um susto na noite da última segunda-feira (11). Em meio ao temporal que atingiu o Rio Grande do Sul, ele estava dentro de um caminhão que foi arrastado e tombou com a força do vento, quando seguia de Tapejara em direção a Coxilha, município do Norte do estado, a região mais prejudicada.

- Publicidade -

“Era um tombo seguido do outro. Ele [caminhão] começou e não parou mais, até parar naquele local”, lembra. Ele sofreu escoriações em todo o corpo e está internado no Hospital Santo Antônio, em Tapejara.

Domingos conta que seguia pela ERS-463 quando foi surpreendido com a chuva e o vento forte. Em minutos, o caminhão foi arrastado para o meio de uma lavoura. Até parar, o veículo tombou seguidas vezes.

“Eu não tinha passado por uma situação como essa que passei essa noite. Nunca imaginei de chegar nesse ponto. Não sei bem o quanto ele foi para o meio da lavoura, acredito que uns 30, 40, 50 metros, não sei bem, mas eu consegui ficar dentro do caminhão”, recorda. “Não teve como a gente se defender”, completa ele.

Não há radar na região onde ocorreu o incidente, por isso não é possível saber qual foi a velocidade do vento. A estação meteorológica que registrou as rajadas mais intensas no estado foi São José dos Ausentes, na Serra, com 109km/h.

Devido à intensidade dos ventos, ao menos três caminhões que circulavam na rodovia ERS-463, entre os municípios de Coxilha e Tapejara, na região norte do Estado, foram arremessados para fora da pista. Um dos veículos chegou a ser arrastado cerca de 40 metros para dentro de uma lavoura, segundo o prefeito de Coxilha, Ildo Orth (PP).

Estragos e mortes

O temporal causou estragos e duas mortes no Rio Grande do Sul. Ao todo, ao menos 24 cidades foram atingidas, informou a Defesa Civil na tarde de terça-feira (12). Pela manhã, o balanço indicava 21.

Os dois óbitos ocorreram nos municípios de Ciríaco e Sarandi, ambos no Norte do estado, a região mais prejudicada. De acordo com o boletim da Defesa Civil, 2.630 residências tiveram algum tipo de dano em função da chuva e vento forte. As principais ocorrências se referem a quedas de árvores e postes, além de granizo.

Em Ciríaco, a Polícia Civil confirmou que um homem morreu na cidade atingido pela própria casa, que desabou sobre ele. De acordo com a Polícia Civil, a residência foi destruída pelo vento e a vítima, encaminhada ao Hospital São José, em David Canabarro, mas não resistiu aos ferimentos.

O temporal também causou a morte de uma idosa em Sarandi. Segundo a polícia, Rita Didomenico, de 70 anos, estava em casa junto com a família na Linha Águas do Angico, interior da cidade, quando a tempestade começou, por volta das 3h.

Parte da família buscou refúgio dentro de um carro, mas Rita, que tinha necessidades especiais, não conseguiu sair a tempo. Ela foi atingida pelo desabamento da casa. Embora tenha sido socorrida, a mulher chegou sem vida ao hospital.

Com informações do G1, UOL e GaúchaZH

- Publicidade -