Com queda de 44,76% em 2015, venda de implementos rodoviários recua 11 anos, diz Anfir

940x529_implemento Librelato Fenatran 2015

O volume de implementos rodoviários emplacados em 2015 foi de 88.315 unidades o que representa queda de 44,76% em relação ao volume de 2014 que foi de 159.870 produtos, segundo dados da Anfir (Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos Rodoviários).

Em números absolutos, o total emplacado no ano passado é um dos quatro piores resultados do setor, cujas estatísticas são medidas pela Anfir desde 2004.

“O desempenho mais próximo ao apurado em 2015 é o de 2004, portanto recuamos 11 anos”, afirma Alcides Braga, presidente da Anfir, lembrando que nos anos de 2005 e 2006 o total emplacado também esteve abaixo de 2015. “É a primeira vez desde 2007 que a indústria não ultrapassou a marca de 100 mil produtos emplacados”, destaca.

Previsão para 2016

Diante da situação econômica e das regras de financiamento vigentes, a Anfir acredita que o resultado em 2016 deverá ser semelhante ao apurado no ano passado ou com ligeira queda. “Acreditamos que não deverá ter crescimento porque a economia não dá nenhum sinal de retomada, infelizmente”, estima Braga.

O presidente da Anfir considerou acertada a decisão do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) de alterar a participação da entidade nos financiamentos de pequenas, médias e grandes empresas.

“A Anfir defendeu essa medida no final do ano passado porque entendemos que essa é a forma, junto com a utilização da TJLP nos contratos, de dar suporte ao setor sem que haja subsídio”, explica Mario Rinaldi, diretor executivo da Anfir. O BNDES alterou sua participação de 70% para 80% do bem, nos contratos com pequenas e médias empresas, e de 50% para 70% nos negócios com grandes empresas.

Os primeiros dois meses de 2016 no entanto poderão receber reforço de vendas dos negócios gerados na Fenatran. “No evento a Anfir apurou que aconteceram aproximadamente 5.700 oportunidades de negócios, conceito que reúne vendas e pedidos firmes de aquisições”, diz Braga. “Se essas vendas forem concluídas, deverão ser contabilizadas até fevereiro”, explica.

Mercado em 2015

Em 2015, o segmento de reboques e semirreboques (pesados) registrou retração de 47,51%. Foram emplacados 29.670 produtos contra 56.529 em 2014. Trata-se do segundo pior resultado da indústria no segmento de pesados desde 2004.

No setor de carroceria sobre chassi a retração foi de 43,25%. Ou seja, em 2015 a indústria entregou 58.645 unidades contra 103.341 produtos em 2014, um dos quatro piores desempenhos desde 2004.

Veja o total de emplacamentos e a variação nas vendas ano a ano:

2004 – 83.816

2005 – 74.596 (-11%)

2006 – 80.808 (+8,33%)

2007 – 103.069 (+27,55%)

2008 – 131.201 (+27,29%)

2009 – 115.107(-12,27%)

2010 – 170.283 (+47,93%)

2011 – 190.823 (+12,06%)

2012 – 160.414 (-15,94%)

2013 – 177.901 (+10,9%)

2014 – 159.870 (- 10,14%)

2015 – 88.315 (-44,76%)