Contracorrente: DAF quer conquistar o mercado e o autônomo tem papel importante nisso

Construída em uma área de 270.000 m², a fábrica da DAF em Ponta Grossa, no Paraná, funciona a todo vapor.

940x529_CZE_0452

A DAF Brasil é a primeira unidade produtiva da marca fora da Europa. A companhia está no país há cinco anos e busca seu lugar ao sol entre as outras marcas há mais tempo instaladas no Brasil e conhecidas pelo público.

Com 850 caminhões rodando pelo Brasil, a DAF mira em mais compradores. E para divulgar a marca ninguém melhor do que o próprio cliente. Por isso, a empresa realiza todos os anos a Semana do Cliente, onde além de convidar concessionários de todo o país, leva empresários e autônomos para conhecerem os produtos e a estrutura da empresa.

A relação com o autônomo sempre foi importante para a marca. Atualmente o número de vendas para esse tipo de cliente é de 20%. “O nosso relacionamento com o autônomo aumentou de um ano para cá. Além do grande e médio frotistas que fazem a gente crescer de forma mais rápida, o pequeno cliente é o boca a boca”, afirma o diretor comercial da DAF, Luis Gambim.

O paraibano José Rodrigues Neto, dono da Transportadora Marajó, não conhecia a marca e aceitou o convite para conhecer os produtos. “Não conhecia a DAF, a primeira experiência é nessa viagem. A visita está sendo bem surpreendente e eu sei que é um equipamento mais sofisticado”, afirma.

“Semanalmente recebemos visitas na fábrica, cerca de 1000 visitantes por ano e o reflexo é imediato. Quando você faz a segunda visita ao cliente muda a visão, não existe desconfiança do produto e o negócio vem na sequência. O nosso grande desafio hoje é implantar a marca no mercado e mostrar a claridade de nossa rede, pois sabemos que é isso que faz vender”, afirma Gambim.

Acompanhamos um test drive realizado com o CF85 na pista da fábrica. Confira:

Participação em feiras e eventos

A participação em grandes eventos também tem rendido bons frutos à DAF. Enquanto outras montadoras abriram mão de investirem em estruturas para a Fenatran e a Agrishow alegando a atual situação do país, a marca holandesa encarou o desafio de mostrar seus produtos.

Com o balanço de um pouco mais de 500 caminhões vendidos na Fenatran 2015, a DAF comemorou os resultados e viu sua linha de fabricação subir de uma média de 1-2 caminhões por dia para três. Segundo Gambim, a intenção é chegar a 4 ou 5 por dia até o fim de 2016.

A participação em eventos reflete diretamente nas vendas dos caminhões. No primeiro trimestre de 2016, a marca teve crescimento de 60% nas vendas em comparação com o mesmo período do ano passado. Um exemplo é o CF85. Lançado na Fenatran 2016, o caminhão foi bem recebido pelo público. “O CF tem uma representatividade grande, já fizemos vendas bem interessantes”, afirma Gambim. Atualmente a participação do caminhão corresponde de 30 a 70% das vendas dependendo o mês.

940x529_CZE_9423

Agrishow

A edição de 2016 é considerada um marco para a DAF. Inicialmente houve receio em participar do evento devido ao alto custo, mas a intenção de divulgar a marca para candidatos a se tornarem futuros compradores falou mais alto. Em uma semana de Agrishow, a marca recebeu 97 pedidos de compra com grande número de caminhões, dentre eles, uma empresa que adquiriu 25 e outra 16 caminhões.

Pedro José da Silva, empresário da Agropecuária Campinense, na Paraíba, conheceu os caminhões DAF na Agrishow e foi à Semana do Cliente para conhecer mais os produtos, a estrutura e talvez fechar um contrato. “É uma marca interessante. Na Agrishow conheci e visitei o estande. O pessoal fez a apresentação do produto e me interessei, fiquei muito satisfeito”, afirma.