Eaton apresenta novas transmissões automatizadas para o mercado brasileiro de pesados

por Leandro Tavares,
de Valinhos (SP) para o Brasil Caminhoneiro

Não é de hoje que as transmissões automatizadas chegaram ao Brasil. E o conhecimento geral sobre esta tecnologia é traduzido em aceitação dos consumidores, tanto que mais de 90% dos caminhões extrapesados já vem equipados com caixa automatizada – quase todas as principais fabricantes inclusive disponibilizam o item de série para seus modelos deste setor. Com este segmento dominado, o próximo passo é introduzir a transmissão em caminhões semipesados. E para este plano a Eaton está preparada.

Nesta quinta-feira, a empresa de gerenciamento de energia apresentou à imprensa as suas novidades em transmissão para os próximos anos. Os equipamentos UltraShift Plus MHD, UltraShift Plus VXP e UltraShift Plus MXP podem ser configurados para equipar trens de força capazes de tracionar de 23 (semipesado) a 120 (fora de estrada) toneladas.

Para se diferenciar no concorrido mercado da transmissão automatizada, a Eaton conta com dois fatores. Ricardo Dantas, diretor de marketing de veículos do grupo Eaton no Brasil, explica: “A caixa semipesada é única no mercado. Não existe neste segmento esta caixa com esta configuração. No geral, estes são produtos desenvolvidos para a relação peso x potencia do mercado brasileiro. Aqui há uma troca de marcha intensa, e este é um produto feito para o mercado brasileiro.”

Além deste, outro ponto garante a confiança da Eaton no produto. “Temos a caixa fuller, que é a mais durável do mercado. Quando você pega esta caixa mecânica e a automatiza, ela se torna ainda mais durável por não ter os sincronizadores, que são itens de desgastes”, avalia o executivo.

De acordo com Ricardo Dantas, o desenvolvimento da transmissão para o Brasil ocorreu de maneira natural. “A base mecânica dela é basicamente a mesma da caixa americana. A grande mudança é o software, que entende como se comporta um veículo no Brasil. Temos uma engenharia local bastante capaz, e quando você junta a automação com a parte mecânica, ela já é brasileira, feita localmente, dentro dos parâmetros do Inovar-Auto”, completou.

A transmissão UltraShift PLUS MHD de 9 velocidades mais uma crawler possui torque de 1.100 Nm e relação total de marchas de 17:1. Esta caixa esta dimensionada para equipar caminhões semipesados com até 30 toneladas de PBT. Já a UltraShift PLUS VXP é uma caixa com Retarder, de 16 ou 18 velocidades à frente mais quatro à ré, capacidade de torque de 3.000 Nm, relação total de marchas de 25:1, conceito de duplo contra-eixo e sem anéis sincronizadores, o que dá mais durabilidade ao equipamento.

Por sua característica fora de estrada, esta transmissão foi pensada para operar em caminhões de mineração, madeireiros e cana-de-açúcar, com até 120 toneladas de PBTC. Para os extrapesados rodoviários de até 74 toneladas de PBTC, a empresa desenvolveu a Ultrashift PLUS MXP, disponível em 16 e 18 velocidades à frente, torque de 3.000 Nm e relação total de marchas 20:1.