Em vez da tecnologia flex, Scania aposta em caminhão inteiramente movido a etanol

Por Mauro Cassane

A Scania domina, há tempos, a tecnologia. Já nos anos 1990 apresentou no Brasil seus ônibus movidos a álcool, com níveis de emissão bem mais baixos que os apresentados pelos caminhões com os novos motores Euro 5.

Agora a fabricante sueca inovou e botou os motores a álcool, já consagrados em seus ônibus (muitos já rodando pelas ruas da cidade de São Paulo) em seus caminhões. Na Fenatran 2011 os visitantes poderão conhecer o P 270, único caminhão movido 100% a etanol produzido no Brasil.

Mais uma novidade da linha 2012, o novo semipesado da Scania reduz em até 90% a emissão de CO2 e atende a legislação a de emissão de poluentes EURO 5, norma obrigatória pela União Europeia desde 2009 e que entra em vigor no Brasil a partir de janeiro de 2012 com o Proconve P7.

“E como é um motor a álcool, não precisa do aditivo ARLA 32”, diz Celso Mendonça, gerente de pré-venda da Scania. O P270 a etanol conta com uma motorização de 9 litros com 270 cavalos e 1.250 Nm de torque já a partir de 1.100 rpm, o que possibilita maior rendimento do trem de força, desempenho e dirigibilidade típicos dos motores a diesel.

“Esta demanda partiu de alguns dos nossos clientes ‘verdes’ que precisam de alternativas para atender às exigências de redução no impacto sócio-ambiental da atividade de transporte por parte dos embarcadores”, afirma Roberto Leoncini, diretor geral da Scania no Brasil.

De acordo com Leoncini algumas, encomendas já foram feitas pelos clientes “verdes”, mas os negócios ainda “estão em andamento”. Não dá para divulgar. Entenda-se por empresas “verdes” marcas como Carrefour (que já é cliente da Scania na Europa).

A Scania se tornou referência na fabricação de veículos urbanos movidos a etanol, combustível com maior potencial para redução de emissões de CO2. O etanol proveniente da cana-de-açúcar emite até 90% menos gás carbônico na atmosfera que o diesel e ainda proporciona a redução de material particulado, NOx (óxidos de nitrogênio) e hidrocarbonetos.

A novidade chegou à América Latina em maio deste ano, quando começaram a circular na cidade de São Paulo os primeiros 50 ônibus brasileiros movidos a etanol. “No Brasil, vamos contribuir para o cumprimento das metas de política ambiental não apenas na formação de uma frota de ônibus, mas também com caminhões que circulam pelas cidades, colaborando com a qualidade de vida das pessoas e reduzindo os impactos ambientais”, diz Leoncini.

Motores a álcool são mais indicados para caminhões que fazem trabalhos intermunicipais (curtas distâncias).  Emitem, certamente, menos poluentes, mas pesam mais no bolso quando o assunto é consumo. Normalmente, motores movidos a álcool consomem 40% a mais que seus similares a diesel.

Foto: Divulgação Scania