A Mercedes-Benz inaugurou nesta terça-feira (27) uma nova linha de montagem de caminhões na fábrica de São Bernardo do Campo (SP).

A novidade fica por conta do padrão de modernidade da planta, a mais moderna do Grupo Daimler em todo mundo, de acordo com a empresa. Com conceitos da Indústria 4.0, a fabricante alemã pretende ter ampliados os padrões de qualidade e produtividade.

FábricaMas o que é a Indústria 4.0? O conceito da Indústria 4.0 surgiu da própria Alemanha e pode ser entendido como uma quarta revolução industrial. A primeira revolução industrial foi a mecanização da produção usando água e energia a vapor. Já a segunda apresentou a produção em massa com a ajuda da energia elétrica. A terceira veio da revolução digital, com o uso de aparelhos eletrônicos e da Tecnologia da Informação para automatizar ainda mais a produção. Com os avanços da tecnologia, da computação em nuvem, dos sistemas ciber-físicos e da Internet das Coisas, os processos de produção da indústria puderam alcançar um novo patamar de interação entre todos os sistemas, equipamentos e colaboradores para aumentar tanto a dinâmica da fabricação quanto a produtividade e diminuir os desperdícios.

“Nossa fábrica já está vivendo o futuro. Não é à toa que nossa nova fábrica já nasce com conceitos da fábrica 4.0. Mesmo no período de maior dificuldades do Brasil nós anunciamos investimentos de mais de R$ 500 milhões nesta fábrica (de São Bernardo do Campo). Hoje estamos entregando esta primeira fase do projeto, dentro do prazo estabelecido”, afirmou Philipp Schiemer, presidente da Mercedes-Benz do Brasil & CEO América Latina. O executivo também revelou: “Já garantimos R$ 2,4 bilhões para continuarmos essa ampliação para o restante da fábrica até 2022”.

Evolução

De acordo com os executivos da Mercedes-Benz, a nova linha de montagem é a mais moderna do mundo dentro do Grupo Daimler. Mas o que significa ser a planta mais moderna? Engana-se quem acha que modernidade está ligado a ter ou não robôs autônomos realizando todo o trabalho de produção.

“Ela (a nova fábrica) é 15% mais eficiente em termos de produção do que a anterior”, diz Philipp Schiemer. Há também ganho na eficiência logística na ordem de 20%. Isso se dá, por exemplo, pela diminuição do número de armazéns de peças de 53 para 6, além do aumento do percentual de entrega de peças diretas na linha de 20% para 45% e da redução do armazenamento de componentes de 10 dias para no máximo 3 dias.

Conectividade

Outro ponto importante alcançado com a conectividade da linha é a possibilidade dos colaboradores acompanharem 100% da produção pelo celular por meio de um app. Essa ferramenta tem interface com a planta de Juiz de Fora e com diversas áreas de São Bernardo do Campo. Além disso, também terá com as demais fábricas de caminhões do Grupo Daimler.

“Todos os dados gerados pelo aplicativo e por equipamentos como as apertadeiras eletrônicas e os AGVs (Automatic Guided Vehicle ou Veículos Guiados Automaticamente), estão sendo armazenados na nuvem com a inteligência do Big Data. Através desses dados, utilizando de recursos Analytics, podemos monitorar a qualidade de todos os nossos produtos, detectar qualquer falha e até casar as informações de Vendas com nossos sistemas de produção para flexibilizar cada vez mais nosso mix de produtos”, explica Carlos Santiago, vice-presidente de Operações da Mercedes-Benz do Brasil.

A nova fábrica também tem ganhos em termos de sustentabilidade. A economia de energia é um exemplo. Houve redução de 56% no consumo de energia com a adoção de lâmpadas LED em 100% da linha de montagem final de caminhões.