Forças Armadas combatem roubo de cargas e contrabando nas rodovias do Rio

Forças Armadas já tinham feito uma operação semelhante na semana passada

Forças Armadas combatem roubo de cargas e contrabando nas rodovias do Rio (Foto: Reprodução/Rede Globo)

Militares das Forças Armadas voltaram nesta quinta-feira (1) às vias expressas e rodovias do Rio de Janeiro para a segunda fase da operação de combate ao roubo de carga e contrabando de armas e drogas. Segundo a assessoria de Comunicação Social do Comando Conjunto das Operações em Apoio ao Plano Nacional de Segurança Pública, o objetivo é contribuir para a diminuição dos índices de roubo de carga e combater o contrabando de armas e drogas no estado.

Com cerca de 3 mil militares da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, os profissionais estão fazendo bloqueios de curta duração em algumas vias do Rio de Janeiro, para fazer a abordagem de veículos. As Forças Armadas já tinham feito uma operação semelhante na semana passada.

Veja também: Roubo de carga no Rio de Janeiro bate recorde em 2017

As equipes contam com o apoio de veículos blindados e aeronaves. De acordo com o Comando Militar do Leste (CML), os espaços aéreos poderão ter restrições temporárias nas áreas onde atuam as Forças Armadas.

A ação começou às 5h em parceria com a Polícia Rodoviária Federal, Força Nacional de Segurança Pública e a Secretaria de Estado de Segurança do Rio de Janeiro.

Baixada Fluminense

Até as 10h, a operação batizada de “Barba Negra” tinha prendido 16 pessoas. O nome, segundo a polícia, é relacionado aos piratas, que foram os primeiros ladrões de carga.

A ação na Baixada Fluminense conta com mais de 350 homens das polícias Civil, Federal, Rodoviária Federal e da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) e tem como objetivo de cumprir 60 mandados de prisão e 85 de busca e apreensão.

De acordo com as investigações, os alvos tem envolvimento em roubo de cargas e tráfico de drogas. Os primeiros carros da polícia deixaram a Cidade da Polícia por volta das 5h30.

Com informações da Agência Brasil e do G1