As projeções de vendas das fabricantes de caminhões para o ano de 2019 seguem com um otimismo grande.

Menos de um ano após lançar uma nova geração de veículos no Brasil, a Scania aposta que o mercado deverá crescer entre 10% e 20% na comparação com 2018. Essa estimativa leva em conta apenas a faixa em que a marca atua, com caminhões acima de 16 toneladas.

“Estamos confiantes e animados com os desafios para 2019 com a chegada da Nova Geração de Caminhões e sua promessa de economia de até 12% em comparação com a geração anterior, as Séries P, G e R”, afirma Silvio Munhoz, diretor comercial da Scania no Brasil. “Outro ponto fundamental para nossa projeção positiva é a previsão de nova safra recorde, o que já está contribuindo para o aquecimento da compra de caminhões, especialmente de pesados”, explica Munhoz. “O agronegócio continuará protagonista. Já foram encomendadas mais de 1 mil unidades da Nova Geração para o transporte de grãos em 2019. Queremos ajudar o cliente a reduzir o custo total da operação.”

2018: um ano de grandes conquistas

O ano passado ficou marcado na história da Scania pelo lançamento da Nova Geração de caminhões, mas também de resultados de vendas consistentes. Na faixa em que atuamos (acima de 16t – semipesados e pesados) – foram 8.643 caminhões emplacados, uma alta de 50,2% em comparação com 2017. A participação de mercado chegou a 16,4%. A indústria registrou 52.654 veículos (2018) versus 32.289 (2017).

Só nos pesados, o aumento da Scania foi de 63,8% com a comercialização de 8.028 caminhões contra as 4.901 unidades do exercício anterior. A participação foi de 23,1%. A indústria registrou 34.782 veículos (2018) versus 18.745 (2017). Já nos semipesados foram 615 novas unidades da marca e 3,4% de participação. A indústria emplacou 17.872 produtos (2018) contra 13.544 (2017).

“A Scania cresceu 50,2% acima de 16t e 63,8% nos pesados. Mas, cresceu com sustentabilidade e rentabilidade do negócio. De nada adianta só fazer volumes e perseguir freneticamente a liderança sem margens consistentes para a saúde financeira da empresa. Buscamos a satisfação plena do cliente”, salienta Munhoz.