Porto paraguaio deseja receber produção de soja sul matogrossense

O porto paraguaio de Concepción, no rio Paraguai, quer se tornar o destino da soja sul matogrossense.

Transporte de soja sul matogrossense pode ir para porto paraguaio. (Foto: Jonas Oliveira/Fotos Públicas)

Autoridades do governo e empresários paraguaios estiveram na quinta-feira (22) em Dourados (MS), para oferecer o porto paraguaio de Concepción, no Rio Paraguai, como alternativa para escoamento da produção de soja do Estado.

Participaram do encontro Fabian Sesto, presidente da Imperial Shipping, filial paraguaia de uma empresa de logística alemã e o gerente de projetos e vendas da empresa, Rodrigo Soto. A dupla se reuniu com produtores rurais e empresários do ramo de logística e transporte de Dourados e de outras cidades de Mato Grosso do Sul, para apresentar o projeto do Novo Porto Multimodal de Concepción.

A proposta é levar a soja diretamente para indústrias argentinas através do porto, que fica a 330 km de Dourados. A distância seria muito menor do que levar a produção até Santos ou Paranaguá.

“A colheita da soja em Mato Grosso do Sul começa em fevereiro. Na Argentina só começa dois, três meses depois. Nesse intervalo, as indústrias de óleo argentinas precisam de soja e possuem capacidade de processar o dobro da produção sul matogrossense”, afirmou Sesto.

Parcerias para concretizar o projeto

A Imperial Shipping fez parceria com outras duas empresas do Paraguai para colocar o porto em operação – a CIE e a Baden S/A Soluções Logísticas, que ganhou a concessão para explorar o terminal durante 20 anos.

A reunião contou também com a presença do representante de uma indústria de óleo da Argentina, interessada em comprar a soja brasileira. Fechando os presentes, estavam o superintendente de Apoio aos Negócios Empresariais da Semade (Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico), Bruno Gouvêa Bastos, e o presidente da Aprosoja-MS, Cristiano Bortolotto.

Bruno disse que levar a soja por Concepción pode reduzir o valor do frete e tornar o produto mais competitivo. Bortolotto afirma ver o projeto “com bons olhos. Se for realmente viável, é uma alternativa para diversificar mercado.”

Projeto 2018 e entraves

O porto paraguaio está desativado atualmente. O projeto é colocar o terminal em funcionamento para receber a soja sul matogrossense da safra do próximo ano.

A licitação que escolheu a empresa Baden Soluções Logísticas como a nova concessionária foi feita em 2016. Na época foi apontado como um entrave a proibição do governo paraguaio aos caminhões bitrem. Muito utilizado no transporte graneleiro, a proibição aos bitrens dificultaria o transporte de soja via rodoviária até o porto.

Fabian Sesto afirma, no entanto, que o governo do Paraguai já fez estudos e está inclinado a permitir o tráfego desses caminhões pela Ruta 5, rodovia que liga Pedro Juan Caballero e Concepción. “Não existe inviabilidade técnica”, afirmou.