Projeto de pesquisa com Guaiúle poderá ser avanço para a indústria da borracha

Você já imaginou um pneu feito de arbusto? Pois é, a Bridgestone Corporation (BSJ) anunciou nesta semana que o Grupo Bridgestone planeja uma ampla pesquisa a ser realizada nos Estados Unidos dedicada ao desenvolvimento do Guaiúle como uma fonte comercialmente viável, renovável e que produz uma borracha natural de alta qualidade, como alternativa para a árvore de seringueira.

O Guaiúle é um arbusto nativo que cresce no sudoeste dos Estados Unidos e no norte do México. Esta planta produz borracha natural em sua casca e nas raízes. A borracha natural de Guaiúle tem qualidades quase idênticas em relação a borracha natural colhida das seringueiras, que é atualmente a principal fonte utilizada nos pneus.

“Este é um projeto excitante e inovador. Ele não só irá ajudar a nossa empresa a atender a demanda por borracha natural, como também constituirá um avanço para a indústria da borracha”, informa Bill Niaura, Diretor de Desenvolvimento de Novos Negócios para a Bridgestone Americas, Inc. (BSAM).

Este projeto está sendo feito pela equipe de operações da Bridgestone Operações de pneus para as Américas (BATO- Bridgestone Americas Tire Operations em inglês) em colaboração com a BSJ. A BSJ financia e cria as estratégias para esta pesquisa, enquanto a BATO está responsável por encontrar um local adequado e operar o espaço piloto. A BATO também irá alavancar os recursos do Centro de Pesquisa e Tecnologia Bridgestone Américas e do Centro Técnico Akron para oferecer conhecimentos técnicos e de pesquisa.

A BATO está atualmente à procura de terras para estabelecer a fazenda piloto e construir o centro de pesquisa no sudoeste dos Estados Unidos. O estudo será desenvolvimento por uma equipe de pesquisas composta por cientistas agrícolas, engenheiros e técnicos de processo focado na otimização das tecnologias agronômicas necessárias para a produção da borracha para pneu em quantidades adequadas para a fabricação em escala mundial.

Cultivo do Guaiúle

A empresa espera encontrar um local, estabelecer o espaço de pesquisa e iniciar a construção do centro até o final de 2012. A instalação está prevista para estar totalmente em operação até 2014. A produção de borracha deve começar em 2015.

O Grupo Bridgestone vai aproveitar o conhecimento e a experiência adquirida com a sua participação em um projeto de pesquisa feita com o Guaiúle, em parceria com o Departamento de Agricultura dos EUA, entre 1988 e 1991, que focou em extrair borracha para os pneus da biomassa da planta.

O sucesso no desenvolvimento comercial de Guaiúle irá diversificar a fonte de borracha natural e reduzir a dependência atual sobre as seringueiras brasileiras, que tem uma área limitada de crescimento e é restrito a climas tropicais próximas ao Equador. Por outro lado, o Guaiúle é nativo aos climas de deserto com uma área de enorme potencial de crescimento.

Foto: Divulgação/Brigdestone