Reunião com caminhoneiros sobre tabela de frete não produzirá efeitos imediatos, diz ANTT

ANTT informou que deverão ser promovidos ajustes na tabela de frete antiga, com base nas reuniões entre produtores e transportadores, intermediadas pela agência e pelo governo

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) informou nesta sexta-feira (8) que o encontro iniciado nesta manhã na sede da entidade, em Brasília, com representantes dos caminhoneiros, sobre os preços mínimos da tabela de fretes, é “puramente técnico e não produzirá efeitos imediatos”.

- Publicidade -

A ANTT informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que deverão ser promovidos ajustes na tabela de frete antiga, com base nas reuniões entre produtores e transportadores, intermediadas pela agência e pelo governo. Essa tabela ajustada de frete, acrescentou a ANTT, deverá ainda ser submetida a audiência pública.

Na prática, explicou o ministério, com a revogação da tabela publicada nesta quinta, volta a valer a tabela publicada em 30 de maio, que já havia sido alvo de polêmica.

O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi (PP-MT), afirmou nesta semana que essa tabela (que voltará a vigorar com o recuo do governo federal) mais que dobra o valor do frete cobrado, que fica “fora de qualquer padrão”.

A ANTT informou ainda nesta sexta-feira que as questões técnicas da tabela “continuarão em discussão na Agência e com o setor, a fim de chegar a uma solução que harmonize os interesses de produtores, transportadores e sociedade”.

Veja abaixo a íntegra da nota divulgada pela ANTT

“A Agência Nacional de Transportes Terrestres informa que os efeitos da Resolução nº 5821/2018, divulgada na noite de ontem (7/6), estão suspensos.

Na manhã de hoje (8/6), a ANTT se reúne com entidades representativas do setor de cargas para rediscutir a tabela de preços mínimos de frete. O encontro é puramente técnico e não produzirá efeitos imediatos.

As questões técnicas da tabela continuarão em discussão na Agência e com o setor, a fim de chegar a uma solução que harmonize os interesses de produtores, transportadores e sociedade”.

Com informações do G1

- Publicidade -