Testamos o Atego 3030, modelo com 4º eixo de fábrica

O 4º eixo é direcional, o que reduz o arrasto e o desgaste dos pneus. E tanto ele quanto o último eixo podem ser erguidos para evitar cobrança extra no pedágio e economizar os pneus quando o caminhão estiver vazio

940x529_img_20161007_094956720_hdrCom o mercado de caminhões cada vez mais competitivo na logística, as fabricantes passaram a ampliar a linha de produtos, configurações e itens de série que aumentem tanto a produtividade e a rentabilidade do dono do veículo quanto o conforto dos motoristas. Uma das últimas modas, que não é tão recente assim no segmento, é o “quarto eixo de fábrica” nos tradicionais trucks. É só observar os lançamentos das grandes marcas nos últimos anos e notar a alta quantidade de modelos com essa configuração presente na lista.

400_img_20161007_095013134A Mercedes-Benz também adotou a novidade para o Atego 2430. Desta forma, o modelo ganhou um novo nome: Atego 3030. Entre os benefícios da mudança está um aumento de seis toneladas no PBT (Peso Bruto Total). A equipe de reportagem do Brasil Caminhoneiro teve a oportunidade de rodar com o Atego 3030 nas estradas da região da Grande São Paulo e conferir de perto o desempenho do veículo.

Veja a transmissão ao vivo que fizemos no Facebook durante o teste clicando aqui.

O caminhão é equipado com um motor de 286 cv de potência, que alcança o torque máximo de 1.250 Nm de 1.100 a 1.200 rpm. Com isso um bom desempenho no consumo de combustível é assegurado. Além dele, a caixa automatizada PowerShift também aparece como item fundamental no custo operacional. A transmissão de 12 velocidades pode ser configurada para modos de direção econômico e de performance, ambos usados para otimizar o transporte quando for necessário mais força no motor ou para aproveitar a inércia após descidas para economizar combustível.

400x300_img_20161007_094923585O 4º eixo é direcional, o que reduz o arrasto e o desgaste dos pneus. E tanto ele quanto o último eixo podem ser erguidos para evitar cobrança extra no pedágio e economizar os pneus quando o caminhão estiver vazio. Como o novo eixo pesa cerca de uma tonelada, o Atego 3030 leva cinco toneladas a mais de carga útil em relação ao 2430. A vantagem de ter o eixo equipado de fábrica está na garantia, tanto na financeira pelo produto quanto na de que o desenvolvimento do caminhão contou com os impactos do eixo extra na engenharia.

Dentro da cabine o Atego segue o padrão apresentado ano passado pela Mercedes-Benz, com novo forro, cama king size e um sem número de espaços para o motoristas guardar bens e pendurar roupas ou toalhas. Nosso teste foi com a cabine leito teto-alto, que possui espaço interno amplo.

Pela vocação rodoviária, o 3030 é indicado para transportes intermunicipais. Durante o percurso do teste, rodando pelo Rodoanel, o caminhão apresentou consumo de 4.26 km/l. O modelo que testamos, o top de linha, com cabine leito teto alto, tem preço sugerido de R$332.367,57.