A visão de que a recuperação do mercado de caminhões viverá mais um ano de alta é generalizada entre os executivos das fabricantes de caminhões.

Em um evento realizado nesta semana em São Paulo (SP) a Volvo apresentou uma perspectiva de crescimento de 30% para 2019. Animada com o momento econômico, a empresa anunciou novo investimento na fábrica de Curitiba (PR).

A sueca injetará mais R$ 250 milhões até 2020, além de anunciar a contratação 300 funcionários e a expansão do segundo turno na planta. A Volvo já havia investido R$ 1 bilhão entre 2017 e 2019.

“Nossa decisão de novos investimentos e contratações é resultado dos sinais consistentes de retomada da economia e da expectativa de um aumento de cerca de 30% no mercado total de caminhões no Brasil”, declara Wilson Lirmann, presidente do Grupo Volvo América Latina. Muito do bom humor com a economia se dá com as perspectivas que o mercado possui sobre o tema da reforma da previdência. “Temos um nível muito alto de déficit fiscal, uma relação dívida/PIB que deve aumentar e pode causar impactos fiscais”, explica Lirmann.

Caminhões

A Volvo encerrou 2018 entre os líderes no Brasil e na América Latina no segmento de caminhões pesados. Um dos destaques da marca foi mais uma vez o excelente desempenho do modelo FH 540cv 6×4, que, com 4.114 unidades emplacadas no Brasil em 2018, tornou-se o caminhão mais vendido em todos os segmentos. A Volvo também foi a marca que mais cresceu na área de semipesados, com uma elevação de 66% de vendas no período. Levando-se em consideração todos segmentos em que atua, acima de 16 toneladas, a Volvo registrou o maior crescimento entre todas as marcas, com um aumento de 79% em relação a 2017, o equivalente a 10.642 unidades.

Ônibus

No setor de ônibus, a Volvo teve aumento de entregas no segmento de veículos pesados, incluindo articulados, biarticulados e rodoviários de alta potência. A América Latina também registrou bons negócios, com o anúncio de 700 ônibus vendidos para Bogotá, o maior negócio da década de veículos para BRT. Considerando apenas os chassis pesados, segmento onde a marca se destaca, foram 300 veículos emplacados no Brasil, um crescimento de 114% em relação ao ano anterior. Ao todo, foram licenciados 908 ônibus da marca no continente, número praticamente estável em relação ao ano passado.