Em 2018, a ZF completa 60 anos no Brasil colecionando marcos importantes, grandes inovações e pioneirismos tecnológicos. A unidade brasileira foi a primeira planta da ZF fora da Alemanha e, por todo o período, a empresa sempre transferiu ao país suas práticas como, por exemplo, as modernas linhas de montagens e qualidade dos seus produtos. “A ZF foi uma das poucas multinacionais de autopeças que participou ativamente de todo processo de instalação, desenvolvimento e expansão da indústria automotiva brasileira. No Brasil, a empresa vem evoluindo, inovando e crescendo acompanhando e suprindo o ritmo e demandas dos seus clientes”, afirma Wilson Bricio, presidente da ZF América do Sul.

De acordo com Bricio, nas primeiras décadas no País o foco estava em produzir componentes mecânicos para atender integralmente as demandas da indústria automotiva. Hoje, a ZF não apenas acompanha a nova tendência que se apresenta em todo o mundo como direção autônoma, eletromobilidade e conectividade, como também mostra caminhos e abre novas possibilidades por meio de suas constantes pesquisas e inovações.

“Nossa meta também é trazer a transformação para dentro de casa, aplicando os conceitos da quarta revolução industrial, respeitando acima de tudo nossos colaboradores e preparando-os para essa nova realidade, mas também contribuindo para levar essas mudanças para clientes e sociedade, com foco em uma nova mobilidade”, explica Bricio.

Seis décadas de inovações e pioneirismos no Brasil

A trajetória histórica da ZF no Brasil está intimamente ligada à evolução da indústria automotiva brasileira. A empresa iniciou a construção de sua fábrica em agosto de 1958, pouco mais de um mês após o Brasil se tornar pela primeira vez campeão mundial de futebol e exatamente na década de maior efervescência de toda indústria nacional.

Se em 1949 havia apenas 100 fabricantes de autopeças no Brasil, já em 1955 esse número mais do que quintuplicou, passando a 550 empresas no setor. O Brasil era o país da vez no cenário global para o setor automotivo. Em 31 de janeiro de 1956, Juscelino Kubitscheck assumiu a presidência do País com o slogan “50 anos de progresso em 5 anos de realizações”. No mesmo ano foi criada a ANFAVEA – Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores.

Com o cenário nacional altamente promissor para o setor automotivo, a ZF decidiu montar no País sua primeira unidade fora da Alemanha. E já em 1959 iniciou a produção de transmissões, em São Caetano do Sul, no ABC Paulista, o primeiro grande polo da indústria automotiva brasileira.

A empresa chegou ao Brasil a princípio para fornecer sua moderna caixa de transmissão para o lendário DKW, que era produzido sob licença pela Veículos e Máquinas Agrícolas S.A. (Vemag), cuja fábrica ficava no bairro do Ipiranga, na cidade de São Paulo.

O boom dos anos 60

Em 1967, a ZF celebrou o marco de 25 mil transmissões fabricadas localmente para os DKW. As vendas para Vemag representavam 75% das vendas totais da ZF na época. Neste mesmo ano, a Volkswagen comprou a Vemag e encerrou a produção do veículo.

Porém, neste período, a ZF já havia se consolidado no mercado brasileiro como uma importante fornecedora de transmissões automotivas. Fabricantes, motoristas e mecânicos reconheciam tanto a qualidade, como a confiabilidade dos produtos da marca.

A ZF rapidamente passou a ser a principal fornecedora de transmissões para a então incipiente indústria automotiva que começava a se posicionar na região do ABC Paulista. No final da década 50 e início da década de 60, Volkswagen, Scania e Ford levaram suas linhas de montagem do bairro industrial do Ipiranga, em São Paulo, para São Bernardo do Campo. A proximidade com o Porto de Santos foi um dos fatores. E a Via Anchieta era, na época, a melhor e mais moderna estrada do País. Instalada em São Caetano, ZF estava também muito próxima a São Bernardo do Campo.

Em 1967, a empresa lançou a primeira transmissão para veículos pesados: a AK655. Com um conceito que primava pelo conforto e robustez, e ainda oferecendo mais economia de combustível, a caixa foi largamente utilizada nos caminhões Mercedes-Benz LP 331.

Além das transmissões, outro produto desenvolvido pela ZF também contribuiu para tornar a marca alemã reconhecida no mercado automotivo. Em 1969, a Chevrolet decidiu equipar seu esportivo de luxo, o Opala, com a moderna direção hidráulica desenvolvida pela ZF. Nos anos seguintes, diversos modelos, como o Passat, da Volkswagen, e o Chevette, da GM, passaram a ser oferecidos ao mercado nacional com sistemas de direção tanto hidráulica quanto mecânica da ZF.

Diversificação nos anos 70

No ano de 1972, a empresa começa a produzir no País reversores marítimos que já eram consagrados na Europa. O primeiro foi o Reversor BW-26 de até 120 HP. Atendendo prontamente as demandas deste setor, a ZF foi gradativamente aumentando a potência de seus produtos.

A ZF passou a produzir, em 1974, direção hidráulica para caminhões e ônibus. As montadoras instantaneamente adotaram a nova tecnologia e os veículos aqui fabricados passaram a estabelecer um novo patamar de conforto para os motoristas profissionais.

A ZF celebrou 20 anos de Brasil em 1978 e, em apenas duas décadas, se tornou uma grande empresa do setor de autopeças. Em 15 de janeiro de 1980, inaugurava-se na região a chamada Fábrica II da ZF do Brasil, em Sorocaba, no estado de São Paulo.

Anos 80, rápida transferência tecnológica

A empresa lançou simultaneamente na Alemanha e no Brasil a avançada transmissão ZF-Ecosplit (família 16S), em 1980. Por entregar mais eficiência à operação de transporte, essa transmissão rapidamente passou a ser utilizada pela maioria dos caminhões pesados produzidos no Brasil nesta época.

O grande salto tecnológico dos anos 90

Nos anos 90, a ZF começou a fabricar duas novas direções hidráulicas: a Servotronic, com comando eletrônico, para picapes, e a Servocom, para caminhões leves, médios e pesados. Com investimentos na modernização de sua fábrica, em 1994 a ZF conquistou a certificação ISO 9001, mesmo ano em que teve início a produção das bombas de óleo FN4 e FN 3.1 para direções hidráulicas de veículos pesados. São menores e menos complexas e 40% mais leves que suas similares no mercado nacional.

A ZF lançou no Brasil, no ano de 1996, a transmissão 16S-1650, a segunda geração da transmissão Ecosplit, com maior capacidade de torque e maior vida útil. Em 1997, após um processo de modernização no polo industrial, a ZF anunciou a transferência definitiva de suas atividades na unidade de São Caetano do Sul, local onde começou sua história no Brasil, para a cidade de Sorocaba.

Anos 2000: expansão acelerada

Em 2001, a ZF Lemförder do Brasil inicia as operações no complexo industrial de Sorocaba e em 2004, conquistou a liderança do mercado de barras de direção e suspensão para veículos de passeio.

A AS Tronic, em 2005, foi uma avançada transmissão automatizada para caminhões pesados, desenvolvida para veículos comerciais com motores gerenciados eletronicamente e que realiza as trocas de marcha nas partidas e paradas sem necessidade de atuação do motorista.

Anos 2010, inovações e desafios

Preocupada com o meio ambiente, em 2012, na planta de São Bernardo do Campo, iniciou uma transformação com o chamado processo de extrusão, que eliminou o uso de solventes no processo de produção de embreagens e tornou a planta mais ecologicamente correta.

Em fevereiro de 2015, com a presença de executivos da ZF do Brasil e da Alemanha, a ZF inaugurou uma nova linha de montagem com a nacionalização de sua transmissão automatizada de 16 marchas para caminhões pesados, a AS Tronic, em Sorocaba (SP).

Em março, a ZF e a Mercedes-Benz firmaram uma parceria para a nova planta da montadora em Iracemápolis, SP. Com isso, a ZF passou a montar sistemas de chassis, eixos dianteiros e traseiros completos, bem como o conjunto de powertrain para veículos Classe C e GLA, produzidos em Iracemápolis.

No início de 2017 a ZF inaugurou o primeiro Centro de Distribuição unificado da divisão de Aftermarket no mundo. Após a incorporação da TRW ao Grupo ZF, as operações de reposição das plantas de Sorocaba, Limeira e São Bernardo do Campo foram centralizadas em Itu, interior de São Paulo.

Em 2018 as transmissões automatizadas TraXon e Ecotronic, que tiveram sua nacionalização anunciada em 2016, passam pelas últimas etapas de testes no mercado brasileiro e já iniciaram sua produção em escala.