O Abraço é Livre: Os Pais do “Tapetão” e as Futuras Gerações com Diesel na Veia!

É, não é fácil…
Quem vive no trecho passa a vida na boleia, inclusive o dia dos pais.
O amor pela profissão, tem dessas coisas. Isso porque a rotina do caminhoneiro implica em “sentir falta”.
Sentir falta e ainda ter a responsabilidade em ganhar o pão para quem ficou em casa.

O BRC foi conhecer a história dos filhos que herdaram o diesel na veia dos pais.
Tem pai que divide o mesmo trecho com o filho. Guilherme herdou do pai Lucival as “40 janelinhas” e além de trabalharem na mesma empresa, fazem a mesma linha.
Sr Paulo César também trabalha na mesma empresa que o filho. Ambos são mecânicos manuseando as peças dos pesados. Sr. Paulo se sente orgulhoso em passar a experiência com os pesados para o Lucas.
E na boleia não diferente, tem pai, filho e neto encarando o trecho. Alexandre Nascimento herdou do pai o diesel e a experiência do trecho. Seu pai, José Nascimento diz sentir orgulho em vê-lo com tamanha dedicação. E o neto? Ah, esse não esconde o caminho que vai trilhar o “tapetão preto”.

Deixar a família em casa para ganhar a vida na estrada não é nada fácil, não é mesmo?
Tem amor, tem abraços, tem gratidão e reconhecimento.

Quer conferir como o BRC contou essa história “dos pais no trecho”?
Então acompanhe com a Erica Pinheiro.