Venda de caminhões se recupera em março, mas setor ainda preocupa, diz Anfavea

No mês passado foram licenciados 4.104 caminhões contra 2.614 em fevereiro, alta de 56,5%

Malagrine

As vendas de caminhões encerraram março com 4.104 unidades, o que representa aumento de 57% frente as 2.614 unidades de fevereiro e queda de 15,3% se confrontado com as 4.843 de março do ano passado. Os dados foram apresentados nesta quinta-feira (6) pela Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores).

No trimestre foram comercializadas 9,7 mil unidades, queda de 26,3% contra as 13,1 mil de 2016.

Veja também: PRF restringe trânsito de veículos de carga em feriados

A produção em março foi de 5.952 caminhões, superior em 12% com relação as 5,3 mil unidades de fevereiro e de 5,1% se analisado com as 5,7 mil de março de 2016. Nos três meses transcorridos deste ano, 15.748 unidades deixaram as linhas de montagem, aumento de 4% ao se comparar com as 15,1 mil de igual período do ano passado.

Já as exportações em março apresentam crescimento de 25,2% – 2,7 mil caminhões foram negociados com outros países no mês anterior, enquanto 2,1 mil foram exportados em fevereiro. Na análise contra as 1,6 mil de março do ano passado, o balanço é superior em 67,4%. No acumulado, a elevação foi de 42,4%, com 5,8 mil unidades exportadas este ano e 4,1 mil no ano passado.

Ônibus

No segmento de ônibus, o licenciamento em março foi de 857 unidades, um avanço de 100,2% frente às 428 de fevereiro, mas recuo de 13,2% contra as 987 de março do ano passado. O acumulado do trimestre registra queda de 34,2%: 1,8 mil unidades este ano ante 2,7 mil em 2016.

A produção de chassis para ônibus no terceiro mês deste ano ficou em 1,7 mil unidades, expansão de 24,2% se comparado com as 1,4 mil de fevereiro e de estabilidade frente ao volume de março do ano passado. Nos três meses já transcorridos de 2017 foram fabricados 4,1 mil chassis, diminuição de 5,2% quando analisado com as 4,3 mil do ano anterior.

E as exportações de ônibus este ano, com 1,6 mil unidades também ficaram estáveis em relação ao resultado do mesmo período de 2016.