Uma das profissões mais clássicas do Brasil vem reforçando a sua história em um mercado cada vez mais disputado por competidores nacionais e internacionais. Os caminhoneiros autônomos estão se reinventando com a adesão à aplicativos digitais desenvolvidos para facilitar o trabalho no transporte de cargas em qualquer região do país.

Tradição de família, o trabalho de autonomia nas estradas é uma espécie de herança para muitos dos profissionais desta prática. A capacidade de fretar os principais insumos e produtos no interior e em grandes cidades é vista como um dom para quem acorda às cinco da manhã e muitas vezes só consegue parar para dormir por volta da meia a noite. Rotina que o jovem Matheus dos Reis Rodrigues, de 25 anos, abraçou ao lado do pai.

“A nossa rotina é de tempo escasso. Antigamente haviam muitas dificuldades em achar as cargas para continuar a faturar no mercado. Era necessário ir até os pontos de carregamento, o que nos fazia perder muito tempo e gerava um cansaço enorme. Agora com os aplicativos de celular é possível encontrar trabalho em qualquer lugar que a gente esteja. Com eles nós descobrimos onde está a carga mais próxima e ainda no destino que nós queremos ir. No Pega Carga, por exemplo, você já faz o contato direto com o embarcador e isso facilita muito a vida”, conta o caminhoneiro.

Autônomo há 6 anos, Matheus utiliza o aplicativo Pega Carga para fazer suas entregas e acredita ele torna a rotina mais simples. O autônomo afirma organizar o dia a dia de trabalho com um raio de ação de poucos quilômetros para poder atender aos pedidos rapidamente. “Se você fizer rotas curtas, você consegue ser acionado em até 4 ou 5 vezes por semana. Caso você faça rotas longas, com viagens de cinco dias você será acionado 1 ou 2 vezes na semana”, explica.

O comportamento de Matheus retrata uma realidade recente no setor. Os motoristas aderiram às facilidades dos smartphones tanto para se comunicar com a família, consumir entretenimento e, porquê não, ganhar mais. Uma prova desse quadro são as pesquisas “Perfil dos Caminhoneiros da Confederação Nacional do Transporte (CNT)” que registraram um aumento do uso da internet no cotidiano desses profissionais.

Para se ter uma ideia em 2016, segundo o estudo, 64,5% dos autônomos usavam a internet e em 2019 o número de usuários chegou a 86,1%. “Os caminhoneiros estão cada vez mais integrados a comunicação digital por conta do poder do WhatsApp. O aplicativo de mensagens de texto, voz e ligações via internet é a principal fonte de de comunicação deles com suas famílias, colegas de estrada e até mesmo com as empresas transportadoras. As antigas ligações DDD acabam consumindo todo o crédito dos celulares o que faz a comunicação ficar muito cara. O WhatsApp é limitado e muitas operadoras já dão esse serviço de graça. Então sai mais barato usar um bom pacote de dados do que usar o DDD”, explica Bernardo Lage sócio do aplicativo Pega Carga.

O app brasileiro facilita a contratação do serviço de frete por não intermediar as partes (motorista e transportadora) e também evita o leilão reverso do frete. O Pega Carga apenas faz a ponte entre ambos e por meio do compartilhamento de informações gera confiança por expor documentos, e detalhes fundamentais para a contratação rápida e segura de um transporte de alto valor agregado.

“O setor de transporte de cargas brasileiro é um dos mais automatizados não só do país, mas do mundo. Os motivos para essa automatização são a contínua necessidade monitorar a segurança das cargas. E não falamos do ponto de vista físico, mas também contra assaltos. Há também a análise do gerenciamento de risco do principal modal de transporte do Brasil, um país de proporções continentais.” afirma Bernardo.