Brado defende integração rodovia-ferrovia na Intermodal 2017

“Investimos numa modalidade que acreditamos que é benéfica para todo mundo, para o cliente, para o Brasil e para os caminhoneiros”, diz diretor da Brado

BradoO transporte de cargas através de contêineres apresenta muitas oportunidade de modernização para a logística nacional. Uma das referências neste segmento, a Brado exibiu na 23ª edição da Intermodal South America soluções focadas para empresas de exportação, importação e abastecimento doméstico. O evento aconteceu em São Paulo (SP) entre 4 e 6 de abril e apresentou amplo debate sobre a integração de diversos modais, incluindo soluções que prometem facilitar a vida dos caminhoneiros.

A Brado, por exemplo, já opera um terminal em Sumaré (SP) que faz ligação com Rondonópolis (MT), um dos grandes pólos produtor de grãos do Brasil. “Nosso terminal de entroncamento em Sumaré tem acesso a três ferrovias e fica fora do anel urbano, com fácil acesso à (Rodovias dos) Bandeirantes. De lá até Santos dá cerca de 200 km”, explica o diretor comercial e de operações da Brado, Marcelo Saraiva.

Com uma solução como esta é possível dar volume maior de entregas por caminhão na rota Santos-Sumaré. “Nosso caminhão sobe e desce cheio, e cargas que vão para Rondonópolis vão para lá de trem. Conseguimos levar 2,7 mil toneladas por trem” destaca o executivo, que defende viagens menores e mais produtivas para os caminhoneiros.

Outro ponto que Saraiva levanta é o modelo atual de movimentação de contêineres. Para ele, é necessário repensar a logística com a criação de depots (depósitos) de containers em pontos de entroncamento para que caminhões façam viagens mais curtas até a carga. “Os depots precisam ficar perto do produtor. Você não tem carga de exportação em Santos, você tem no interior. Então o caminhão sai de Santos, vai com importação para Araraquara e desce de volta vazio. Daí quando o exportador pede um vazio, o caminhão tem que sair de Santos, ir vazio para Araraquara e voltar para Santos. É um desperdício que tem que mudar”, explica o diretor.

Investimentos

Marcelo Saraiva revelou que a Brado deve iniciar entre meados de 2018 e o início de 2019 operações trens double stacker. “Fizemos os estudos e existem 27 interferências que precisam ser resolvidas, sendo cinco pontes e viadutos críticos que precisam ser levantados, enquanto as outras 22 são de fácil solução”, afirma o diretor.

De acordo com Saraiva, a operação terá início com 74 vagões, o que trará aumento de mais de 35% na capacidade dos trens no trecho Rondonópolis-Sumaré. Além disso, investimento da Rumo na linha ajudam a aumentar a produtividade cada vez mais. “No começo da operação levávamos nove ou dez dias no trecho. Hoje fazemos em quatro ou cinco. A velocidade média era de 7,4 km/h, hoje está em 14,8 km/h”, diz o executivo.

“Investimos numa modalidade que acreditamos que é benéfica para todo mundo, para o cliente, para o Brasil e para os caminhoneiros, que são um elo frágil da cadeia e que precisa de mais cuidados”, conclui Marcelo Saraiva.