Braspress mostra que competência não tem sexo

Braspress conta com 22,9% de seu quadro de colaboradores do sexo feminino

Braspress mostra que competência não tem sexo

A Braspress é pioneira na contratação de mulheres para dirigir seus caminhões, realizando um programa de treinamento específico para que elas se transformem em verdadeiras profissionais de volante.

- Publicidade -

Investindo na contratação de mulheres motoristas desde 1998, a Braspress conta hoje com um quadro de 101 motoristas do sexo feminino. E a tendência é só aumentar, já que um novo mercado de trabalho foi aberto para elas. No total, a Braspress conta com 22,9% de seu quadro de colaboradores do sexo feminino, cerca de 1.331 mulheres.

A ideia pioneira adotada pelo Diretor-Presidente da Braspress, Urubatan Helou, parecia uma alternativa de Marketing, mas acabou abrindo espaço para as mulheres num competitivo mercado de trabalho, outrora tradicional reduto predominantemente masculino.

Veja também: Conhecemos o Planeta Azul, novo complexo logístico da Braspress

“Conseguimos mostrar que competência não tem sexo, abrindo mercado de trabalho para as mulheres que colaboraram para o aumento da produtividade e da melhoria da capacitação no setor do TRC (Transporte Rodoviário de Carga)”, afirmou Urubatan Helou.

Os controles internos mostraram que as motoristas mulheres têm maiores cuidados operacionais com os veículos colaborando para a manutenção dos caminhões e sabem ser educadas nos relacionamentos com os clientes e no trânsito são pacientes.

‘’Com isso, ocorreu a redução de batidas e dos custos de manutenção, incluindo funilaria. Além do que, temos encontrado em nossas motoristas mulheres um diálogo muito mais eficaz com os nossos destinatários, mesmo nos centros comerciais e industriais’’, finalizou Urubatan Helou.

- Publicidade -