Caminhão toma forma no terceiro episódio de Como Nascem os Brutos

No terceiro episódio episódio da série, mostraremos o processo da linha de integração. Aqui, a cabine é acoplada ao chassi e o caminhão finalmente toma forma.

Funcionários fazem o ajuste da posição e fazem a fixação. Todos os terminais dos chicotes elétricos e cabos são conectados, assim como a bateria. O motor recebe fluidos hidráulicos, solução do sistema de arrefecimento, combustível e Arla 32. Nessa fase, os caminhões destinados ao mercado externo, recebem os equipamentos exigidos pela legislação local e dispositivos operacionais, como o aquecedor do Arla 32 e anticongelantes.

Daí o bruto parte para os testes de controle de qualidade. O motor funciona pela primeira vez, os faróis são ajustados e o caminhão segue para uma cabine isolada para o teste de rolagem. Ele é encaixado sobre rolos e acelerado até 80 km/h para avaliar motor, suspensão, câmbio e freios. Aprovado, todos os caminhões passam por uma minuciosa inspeção, um teste de ‘olho clínico’.

CONFIRA OS OUTROS EPISÓDIOS DA SÉRIE

Possíveis defeitos causados na produção são marcados com uma caneta vermelha para serem corrigidos. Saindo do galpão, o pesado vai para o teste de vedação de água, onde a cabine recebe jatos de água pressurizados para conferir a vedação das portas, juntas e janelas. Se reprovado, vai para análise pelos engenheiros. Aprovado, vai para o pátio interno da fábrica, onde fica até seguir para a concessionária.

Não perca semana que vem o último episódio de “Como Nascem os Brutos”. Após acompanhar a produção do caminhão, será a hora de testar o resultado. E o cenário escolhido foi Aparecida, em São Paulo.