Einride inicia testes de seu caminhão autônomo

Diferente de algumas fabricantes, a Einride não venderá o veículo

Einride inicia testes de seu caminhão autônomo (Foto: André Fogaça/Canaltech)

A Einride vem falando sobre seu caminhão autônomo desde 2017, o T-Pod. Agora, a empresa marcou o início de seus testes para agosto de 2018.

Segundo entrevista concedida ao Canaltech, Linnéa Kornehed, diretora de marketing da startup sueca responsável pelo veículo, os primeiros testes práticos serão realizados a partir de agosto deste ano, com no máximo setembro como segunda data.

Veja também: Conheça o T-pod, o caminhão autônomo sem cabine

“Nós testaremos o T-Pod em áreas controladas, mas dentro de vias públicas e em distâncias pequenas”, comentou Kornehed. “Nesta primeira parte de testes nós já colocaremos cargas de clientes sendo levadas do ponto A ao ponto B”, completa a executiva.

T-Pod

O T-Pod foi apresentado como conceito no ano passado, mas ganhou forma e novo logo agora em 2018. Ele é um caminhão completamente autônomo, sem sequer um motorista para assumir o volante em caso de emergência.

Na verdade o motorista existe, mas controla tudo remotamente — como você controlando o personagem em um videogame. Toda a parte de inteligência e de estudo dos sensores é feita com a placa NVIDIA Drive PX 2, focada apenas em tornar a direção autônoma mais segura.

A capacidade de carga do baú é de 15 pallets distribuídos em pouco mais de 18 toneladas de carga total. A autonomia, com caminhão lotado, é de aproximadamente 200 quilômetros com apenas uma carga de bateria — o suficiente para entregas entre locais próximos. Como o alcance ainda não é o ideal, o objetivo da startup sueca é de criar pontos de recarga e manter os caminhões por lá.

Diferente de algumas fabricantes, a Einride não venderá o veículo. Ela mesmo fabrica seus caminhões e vende o serviço de transporte para quem quer. Uma espécie de aluguel, nos mesmos moldes de bicicletas que são alugadas na cidade. A empresa tem como objetivo colocar mais de 200 caminhões nas ruas até 2020.

Com informações do Canaltech