Empresa chinesa confirma aquisição do 3º maior terminal de contêineres do Brasil

Porto de Paranaguá é o terceiro maior terminal de contêineres do Brasil

Foi confirmada na quinta-feira (22/2) a aquisição de 90% do Porto do Paranaguá, no Paraná, pela holding chinesa China Merchants Port. Durante o evento promovido pela Frente Parlamentar de Logística de Transporte e Armazenagem (Frenlog), o ministro dos Transportes, Maurício Quintella, informou ainda que além dos quase R$ 3 bilhões pagos pela empresa chinesa na compra, a CMPort também deve investir cerca de um R$ 1 bilhão no terminal.

- Publicidade -

3º maior terminal de contêineres do Brasil

O porto de Paranaguá é o terceiro maior terminal de contêineres do Brasil e está localizado em ponto estratégico para escoamento de produtos agrícolas para a China. De acordo com o senador Wellington Fagundes, presidente da frente parlamentar, o negócio marca a entrada do grupo chinês na América Latina e deve incentivar as exportações brasileiras, além de atrair novos investidores.

Contrato

O contrato de compra e venda de ações foi assinado no início de setembro de 2017 na China, em visita oficial do presidente da República, Michel Temer e do ministro Quintellam, quando foram apresentar o portfólio de privatizações elaborado pelo Ministério, relativo aos ativos no setor de infraestrutura e transportes. Para a consolidação da transação, realizada agora em fevereiro de 2018, foram cumpridas todas as condicionantes regulatórias.

Veja também: Paranaguá ganhará unidade do SEST SENAT

Quintella afirmou que a formação de parcerias é fundamental para o desenvolvimento do país, já que o Brasil está um pouco distante das ideais de investimentos em infraestrutura. “Investimos apenas 2% do nosso PIB no setor, enquanto nossos parceiros do BRICS, como a Índia, 7%, e a China 13%”, explicou.

O acordo prevê, ainda, que a capacidade de armazenamento suba dos atuais 1,5 milhão de contêineres para 2,4 milhões até 2019. A ampliação é uma contrapartida à prorrogação antecipada do arrendamento – que terminaria em 2024 – por mais 25 anos, assinada em 2016 com o governo brasileiro.

Composição

Pelo acordo, a CMPort comprou 50% das ações da TCP que pertenciam à Advent International e 40% das ações da empresa que pertencem aos acionistas fundadores da TCP – Galigrain S.A. (“Galigrain”), Grup Maritim TCB S.L. (“TCB”), Pattac Empreendimentos e Participações S.A. (“Pattac”), Soifer Participações Societárias S.A. (“Soifer”) e TUC Participações Portuárias S.A. (“TUC”). Advent, Galigrain e TCB venderam a totalidade de suas ações, enquanto Pattac, Soifer e TUC manterão, juntas, 10% do capital da empresa.

Com informações da NTC & Logística

- Publicidade -