Receitas no exterior da Marcopolo crescem em 2015

A Marcopolo divulgou na última terça-feira seu desempenho no ano de 2015. A empresa alcançou receita líquida consolidada de R$ 2,739 bilhões, com retração de 19,4% em relação à obtida em 2014 (R$ 3,4 bilhões).

Marcopolo
Marcopolo Viaggio 1050 / Gelson Mello da Costa

O destaque foi o crescimento de 28,5% nos negócios no exterior e exportações – R$ 1,475 bilhão, contra R$ 1,148 bilhão registrado no ano anterior. A retração da demanda brasileira por ônibus foi o principal motivo para a queda da receita. O mercado nacional caiu 38,4%, com a fabricação de 17.511 unidades (contra 28.429 unidades de 2014).

Apesar da retração econômica, a participação de mercado da Marcopolo aumentou para 40,7% em 2015, contra 39,6%, em 2014. Com relação aos resultados alcançados com os negócios no exterior, a companhia exportou 1.766 unidades (já excluindo os kits desmontados) contra 1.628 em 2014, aumento de 8,5%.

De acordo com a direção da Marcopolo, a companhia segue engajada na adoção de três forças-tarefas para acelerar as atividades críticas que colaborem para superar as dificuldades. As ações incluem o fortalecimento da atuação nos mercados de exportação e ampliação do portfólio de clientes, medidas para a redução de despesas e custos indiretos, e do aumento da eficiência operacional por intermédio da adoção dos conceitos LEAN, além da melhoria do capital de giro pela redução de estoques e recebíveis.

As exportações a partir do Brasil seguem aquecidas, impulsionadas principalmente pela taxa de câmbio mais competitiva. As ações da companhia visando a cobertura de novos mercados e a ampliação do portfólio de clientes no exterior já trazem reflexo nos negócios fechados e naqueles em andamento. Em relação às unidades controladas da Marcopolo no exterior, a empresa espera um ano melhor na Austrália, onde o programa de transformação está refletindo na melhora da eficiência operacional. No México, a Marcopolo pretende intensificar a sua presença, especialmente no segmento de rodoviários, tanto por intermédio da continuidade da parceria com a Mercedes, como também pelas novas oportunidades de encarroçar com outras marcas de chassis.