Construção robusta do caminhão garante sobrevivência de Diumar Bueno

A oitava etapa do Campeonato Brasileiro de Fórmula Truck, disputada no último fim de semana na cidade gaúcha de Guaporé (RS), foi marcado pelo acidente sofrido por Diumar Bueno na quarta e última sessão de treinos livres, na manhã de sábado (13). Foi o acidente mais sério dos 17 anos de história da categoria, considerando suas consequências para o piloto paranaense. E que atestou a segurança aplicada na construção dos caminhões de corrida.

Bueno percebeu a falta de freios na reta dos boxes, tomou o caminho da área gramada à esquerda da pista e, sem conseguir diminuir a velocidade, cruzou a pista na curva Um, rompeu o muro de proteção e despencou de uma altura de mais de 15 metros, até cair na via interna de acesso aos boxes. Ele foi levado ao Hospital Manoel Francisco Guerreiro, em Guaporé, e removido em seguida ao Hospital Marcelino Champagnat, em Curitiba, sua cidade.

O piloto foi submetido a procedimentos cirúrgicos no domingo (14). Os exames apontaram que Bueno sofreu 17 fraturas na perna direita, 15 fraturas na perna esquerda, fraturas nos ossos nasais e faciais, além de fraturas nos pés e cortes nos calcanhares e na língua. A estimativa inicial da equipe médica que efetuou a cirurgia é de que o piloto só poderá voltar a caminhar dentro de aproximadamente seis meses. Não há risco de morte, segundo os médicos.

O fato de Diumar Bueno ter sobrevivido ao acidente reflete o trabalho constante que a Fórmula Truck desenvolve para proporcionar aos pilotos e aos espectadores o nível de segurança mais alto possível. A construção robusta do caminhão, ditada por um regulamento técnico rigoroso, ofereceu condições ao piloto de sair com vida do acidente, cuja imagem, disponibilizada pela Fórmula Truck, foi veiculada por toda a mídia esportiva brasileira.

Um dia antes do acidente de Bueno, durante o briefing com pilotos, a organização da categoria comunicou o agendamento de uma reunião para dia 8 de novembro, véspera dos primeiros treinos para a nona etapa no Autódromo Internacional de Curitiba. Em pauta no encontro estará justamente o pacote de medidas que serão adotadas para reforço no padrão de segurança, tanto dos caminhões quanto dos autódromos que recebem as corridas.

“Nosso objetivo é sempre o de melhorar essas condições. Foi até uma coincidência ter acontecido esse acidente com o Diumar exatamente um dia depois de marcarmos uma reunião para tratar disso”, comentou a presidente da categoria, Neusa Navarro. “A preocupação não é só com a construção dos caminhões, mas também com os autódromos. Muitas vezes, a própria Fórmula Truck executa obras e reformas nos autódromos”, ela lembra.

GRANDE PRÊMIO CRYSTAL
Neusa Navarro observa que o acidente sofrido por Bueno contrastou com a realização da etapa guaporense da Fórmula Truck. “Em linhas gerais, foi mais um evento maravilhoso. O público compareceu em peso, como sempre, acredito que tenhamos reunido mais de 40 mil torcedores. No domingo cedo eu sobrevoei o autódromo e o que vi foi uma imagem que emociona, o autódromo cheio, bem cuidado. Tudo isso comprova a força da etapa de Guaporé”, diz.

A movimentação em torno do evento, que pôs em disputa o Grande Prêmio Crystal, foi iniciada no feriado de sexta-feira (12), Dia da Padroeira do Brasil, quando também se celebrou o Dia da Criança. O projeto Truck Kids foi levado ao centro da cidade e , para uma volta em um dos minicaminhões, cada criança doou um quilo de alimento. “A ação arrecadou quase uma tonelada de alimentos, que repassamos a entidades de Guaporé”, informou Neusa.