Diante de sua torcida, Monteiro busca ‘recomeço’ na busca pelo título da F-Truck

Quando o Campeonato Brasileiro de Fórmula Truck chegou a Caruaru (PE) para a terceira etapa de 2012, em maio, Beto Monteiro era a principal estrela da temporada. Com vitórias nas duas etapas anteriores, realizadas nas pistas do Velopark (RS) e de Jacarepaguá (RJ), o pernambucano da Scuderia Iveco liderava com 50 pontos e vivia a expectativa de vencer pela terceira vez consecutiva para abrir vantagem ainda maior na classificação.

Monteiro foi terceiro colocado na corrida pernambucana, vencida pelo paranaense Wellington Cirino, da Mercedes-Benz. O paranaense Leandro Totti, que chegou à etapa pernambucana somando apenas seis pontos na tabela, foi ao pódio pela primeira vez no ano, levando o Mercedes-Benz da ABF Racing Team ao quinto lugar. O resultado deu início à campanha que levaria Totti a se tornar, em dezembro, o oitavo piloto a conquistar um título na F-Truck.

Caruaru, em 2013, é novamente palco da terceira etapa da temporada da categoria. Único piloto nordestino no grid, Monteiro prepara-se para correr diante de sua torcida vivendo uma realidade matemática menos positiva que a de um ano atrás – está em 12º na pontuação do Brasileiro com 10 pontos, 38 a menos que o paulista Paulo Salustiano, da ABF Racing Team, que assumiu a liderança da competição com a vitória na corrida de abril em Londrina (PR).

A pontuação não desmotiva o piloto pernambucano para a corrida de 19 de maio. “Pelo contrário, estou mais animado do que nunca. Correr em casa, perto da minha torcida, é bastante motivador, faz com que eu dê muito mais do mim do que realmente poderia dar”, considera o piloto. “O campeonato é longo e cheio de alternativas. Ano passado a vantagem do líder se reverteu. Espero que isso aconteça de novo a partir desta corrida, mas a meu favor”, planeja.

O pernambucano venceu a etapa em 2004, ano em que conquistou o título. “Correr em Caruaru, para mim, é uma emoção indescritível. Preciso de um recomeço nesse campeonato, porque tivemos problemas na primeira etapa em Tarumã e na segunda, em Caruaru, houve toda aquela situação atípica da corrida, a chuva com a troca de pneus, e a gente acabou não se saindo bem. O caminhão está muito competitivo desde o início do ano”, atesta o piloto.

(LT)

Foto: Orlei Silva