Equipe Iveco supera deserto e se mantém na liderança dos caminhões no Dakar 2012

No último sábado, dia 7 de janeiro, a equipe Iveco-De Rooy comemorou a quarta vitória de Gerard De Rooy, mas lamentou os problemas que levaram o piloto Miki Biasion a passar a noite no Deserto de Atacama, perdendo importantes posições no Rali Dakar 2012. A equipe brasileira Petrobras Lubrax (formada por André Azevedo, Maykel Justo e Mira Martinec), chegou em 14º lugar no caminhão Tatra com o tempo de 21h55min04s.

A sétima etapa foi inteiramente disputada no interior da província de Copiapó. O desafio foi dividido em duas partes: uma inicial, de 143 quilômetros, com pistas em meio a colinas e cactos, e a segunda de 276 quilômetros, subindo montanhas de areia com 1.600 metros de altura.

Equipe Petrobras Lubrax chegou em 14º lugar

Fora o espanhol Pep Vila (Iveco Trakker Evolution II) e o francês Joseph Adua (Iveco Trakker Evolution), os outros integrantes da escuderia que representa oficialmente a Iveco e a Fiat Power Train sofreram com os percalços da natureza.

O holandês Gerard De Rooy (Iveco PowerStar Strator-Torpedo) perdeu entre 10 e 12 minutos – na metade da etapa – quando foi obrigado a trocar o pneu dianteiro esquerdo avariado em função do atrito com pedras pontiagudas. O mesmo aconteceu com o piloto italiano Miki Biasion (Iveco Trakker Evolution II). Ambos lideravam a classificação, e caíram para abaixo do nono lugar.

O campeão do rali em 2007, Hans Stacey (Iveco Trakker Evolution II) comandou a categoria até o estouro de seu pneu. “Viemos bem na primeira parte, mas depois tivemos problemas com avarias provocadas por pedras e isso nos fez ficar empacados entre as dunas. Apesar da perda de tempo finalmente dirigi atrás de outro caminhão, porém acabamos nos perdendo e isso me custou outros 10 minutos”, falou Stacey, que anda no pelotão da frente dos caminhões.

Nas dunas altíssimas do Deserto de Atacama, Gerard De Rooy, literalmente, deu a volta por cima das adversidades. “Pelas características mais robustas de nossos caminhões, obtivemos grande vantagem em relação aos demais concorrentes. Vimos muitos veículos atolados, mas nós conseguimos atravessar o terreno sem problemas. Todo mundo dizia que teríamos uma desvantagem por conta da frente do caminhão nas dunas, mas não tivemos nenhuma dificuldade quanto a isso. Estou muito satisfeito, mesmo chegando com outro pneu furado”, confessou o líder da corrida na chegada.

Nas montanhas de areia, o piloto Biasion viveu sua fase mais critica, inclusive tendo de passar a noite no deserto. O bi-campeão mundial do rali tinha até as 18 horas do domingo (ontem) para atingir o acampamento e não ser desclassificado. Com determinação e garra, superou os problemas e chegou a tempo para continuar na prova.

A etapa de hoje será de Copiapó a Antofagasta, com 477 quilômetros de especial e 245 km de estrada. A oitava etapa será uma das mais longas da corrida com boa parte do terreno em locais perigosos.

Classificação na 7ª etapa
1º DE ROOY (NLD) / IVECO 4:20:32
2º LOPRAIS (CZE) / TATRA a 03:59
3º KARGINOV (RUS) / KAMAZ a 16:32

Classificação Geral após a 7ª etapa
1º DE ROOY (NLD) / IVECO 18:05:15
2º LOPRAIS (CZE) / TATRA a 17:10
3º STACEY (NLD) / IVECO a 33:14

Fotos: Iveco (José Mário Dias) e Equipe Petrobras Lubrax (Maindru)