‘Fora’ da disputa pelo título da F-Truck, Giaffone tenta levar MAN a mais vitórias

Quando foi escalado pela equipe MAN Latin America para pilotar o novo MAN no Campeonato Brasileiro de Fórmula Truck de 2013, o piloto paulista Felipe Giaffone manifestou uma certeza e uma impressão. A certeza, de que o desenvolvimento do novo equipamento representaria seu maior desafio desde a estreia na categoria, em 2005; a impressão, de que os resultados do trabalho seriam colhidos só a partir da segunda metade da temporada.

Os prognósticos foram precisos. Até a quinta das dez etapas, apesar da notória eficiência do equipamento em voltas rápidas classificatórias, Giaffone somou apenas oito pontos, seis deles a título da bonificação atribuída quando a corrida completa seu primeiro terço. Os outros dois corresponderam a seu 13º lugar na quinta corrida do ano, no circuito paulista de Interlagos. Foi, até então, a única corrida em que levou o MAN TGX ao fim de uma corrida.

“Desde o início o caminhão se mostrou muito rápido, mas enfrentamos a série de dificuldades que já eram esperadas por conta do novo projeto”, avalia o piloto, que conduziu os caminhões Constellation da Volkswagen aos títulos do Campeonato Brasileiro em 2007, 2009 e 2011 – neste último ano, também foi campeão sul-americano. “Nas duas últimas corridas, já com boa parte desse desenvolvimento vencida, os resultados apareceram”, acrescenta.

A sexta etapa, no circuito paranaense de Cascavel, foi marcada pela primeira pole-position e pela primeira vitória de Giaffone com o caminhão MAN. A corrida seguinte, disputada em 8 de setembro na pista argentina de Córdoba, teve o tricampeão em segundo lugar no pódio. Com 54 pontos, foi o piloto que mais pontuou nas duas últimas corridas, tendo marcado 10 pontos a mais que o pernambucano Beto Monteiro, da Scuderia Iveco, líder da temporada.

Os resultados das etapas em Cascavel e em Córdoba elevaram Giaffone ao sétimo lugar na classificação do campeonato. Ele soma 62 pontos. Monteiro comanda a tabela com 104. “Faltam três corridas para o campeonato terminar, são 96 pontos em jogo, mas em termos práticos eu não me considero um dos candidatos ao título deste ano”, admite. “Temos uma condição competitiva para pensar em mais vitórias, mas penso que seja muito tarde para o título”.

Uma das dificuldades decorrentes da adoção do novo caminhão MAN é a distribuição de peso. “Meu caminhão ainda tem a frente bem acima do peso, isso influi bastante no acerto e na pilotagem. Achamos melhor coletar tudo que for possível de informação a respeito para buscar uma solução para o ano que vem. Mesmo com esse detalhe, o caminhão já é competitivo o suficiente, esses dois últimos resultados comprovam isso”, manifesta o tricampeão.

A oitava e antepenúltima etapa da Fórmula Truck será disputada no dia 13 de outubro no Autódromo Internacional Nelson Luiz Barro, em Guaporé, no Rio Grande do Sul. Giaffone venceu a etapa guaporense duas vezes, em 2009 e 2010. “A ideia, claro, é chegar lá e planejar todo o trabalho de um modo que nos permita disputar a vitória. Não estou disputando o título, não tenho muito o que perder, então posso fazer esse jogo, corrida a corrida”, finaliza.

Foto: Orlei Silva